Leia o texto de um famoso telepregador brasileiro.

CLUBE DE 1 MILHÃO DE ALMAS?

O nosso objetivo é a conquista de vidas para o Reino de Deus. Faça parte do Clube de 1 milhão de almas, dando uma oferta voluntária no valor de R$ 1.000,00 (MIL REAIS), que nos ajudará com os programas de televisão, que temos no Brasil e em outras nações, e a realização de cruzadas e congressos evangelísticos. Com certeza, PODEREMOS CONQUISTAR EM POUCO TEMPO 1 MILHÃO DE PESSOAS PARA CRISTO!

Cada vez que, por meio de nossos programas e eventos, ganharmos uma alma para Cristo, registraremos no contador em nosso website. E cada vez que você conquistar alguém para Jesus, também poderá efetuar o registro, clicando no link:
1 milhão de almas.

P.S.: VOCÊ, QUE ENVIAR A SUA SEMENTE VOLUNTÁRIA DE R$ 1.000,00 (MIL REAIS) PARA O CLUBE DE 1 MILHÃO DE ALMAS, RECEBERÁ O LIVRO 1001 CHAVES DE SABEDORIA, DO DR. MIKE MURDOCK, E UM LINDO CERTIFICADO DO CLUBE.

Então, vamos a alguns questionamentos apropriados: Isso significa que o investimento necessário para ganharmos uma pessoa é 1.000,00? Ou, melhor, Um bilhão de reais é necessário para mover a graça de Deus em favor dos pecadores? Sim, senhores, U.M. B.I.L.H.Ã.O. DE REAIS.

O marketeiro/pregador que propõe tal campanha só se esqueceu que “o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo”. Mesmo que esse dinheiro fosse usado para levar comida ao  pobre, mesmo assim não produziria a salvação de ninguém. Mas ainda assim seria uma atitude muito mais nobre que aumentar o reino pessoal. Ora, não está o barbudo Marx certo quando critica o cristianismo questionando “a oferta do fiel é mais concreta que a benção do pregado”?

Silas Malafaia é o mesmo que há pouco tempo aprovara a venda da benção de Deus por 900,00, agora vende a salvação dos perdidos por 1000,00 (não basta salvar alguém, tem que ganhar um brinde).

Quando eu encontrar no céu São Francisco de Assis o abraçarei e direi que sua luta não foi em vão; apesar da igreja oficial, seja ela católica ou pentecostal, ter vendido indulgências, ostentado o trono de ouro (no mesmo mundo onde Jesus carregou a cruz) houve muitos cristãos que dobraram seus joelhos a mamom. Que ainda há aqueles que entendem que o evangelho é pregado dia-a-dia pelas ovelhas humildes, pobres viúvas e gentios fervorosos que se entregam calados ao matadouro, que dedicam uma única moeda no gazolifálcio ou que sabem que basta Jesus dar uma ordem para que tudo fique bem.

Gostaria que esses homens havidos por dinheiro propusessem um milhão de joelhos dobrados (até eu, que não sou tão fervoroso assim, participaria) um milhão de cestas básicas, um milhão de jovens nas ruas ajudando o próximo. Um milhão de pessoas vivendo radicalmente a palavra de Deus, isso sim, salvaria a muitos.

Ao final, ainda vão propagar o salvômetro do site, pedindo mais dinheiro. É assim, quem se vende a mamom nunca está satisfeito.

Apesar de ter falado de Marx e São Francisco, sou [ou já fui, sei lá] batista, mas esses homens tem uma convicção mais clara do que é Reino de Deus do que esses aí.

A oração de um justo pode muito em seus efeitos, mas a sua oferta (em dinheiro) nunca moverá o coração de Deus.

Termino aqui lançando a campanha: ore mais e dê menos dinheiro.

Anúncios