Michelle Obama se os porcos votassem
Imagem usada na campanha de difamação de Michelle Obama

De repente, assim, sem mais nem menos, Orson Scott Card se tornou o filósofo preferido de milhões de brasileiros. Por quê? Ambos foram derrotados.

Orson, é um escritor americano, mórmon, de extrema direita. No pouco que li sobre ele é de um ódio e amargura que me deu aflição. Pra quem não sabe, a Bíblia diz que uma raiz de amargura, brotando no coração de um homem, contamina a muitos. Mais uma vez, a Bíblia aclara a alma humana e mostra onde está o problema.

A frase que está se tornando bandeira de muitos hoje é essa: “Se os porcos pudessem votar, o homem com o balde de comida seria eleito sempre, não importa quantos porcos ele já tenha abatido no recinto ao lado.”

O contexto dessa frase é bem interessante. Mesmo que em tempos anteriores Card tenha defendido o então candidato Barak Obama, em 2013 ele diz que vê um futuro em os EUA serão governados como a Alemanha de Hittler. Quando Bush mentiu sobre armas de destruição em massa, Card defendeu, dizendo que há mentiras politicamente úteis. Talvez isso explique a sua crítica fantasiosa a Obama.

Se ele fosse brasileiro, estaria de mãos dadas com Bolsanaro, Marco Feliciano, Silas Malafaia (pela ideologia, não pela religião, já que mórmons e pentecostais não se dão), ele é um ativista anti-gay, desses bem chatos. Alguns dos seus leitores dizem que ele perdeu a graça depois que entrou nessa luta e ficaram felizes quando ele diminuiu a sua artilharia e voltou à ficção científica.

Em meio a algumas disputas americanas, que são bem difícies de entender, já que a política lá é outra, essa frase de cards veio à tona quando Michelle Obama (mulher, negra e primeira dama dos EUA) tentou emplacar uma política chamada Healthy, Hunger-Free Kids Act (Ação por crianças saudáveis e sem fome – me perdoem se traduzi errado) que é um cardápio padrão para as escolas pública de lá. Sem entrar na discussão se o programa é bom ou ruim (já que eu não o conheço) umas das formas de atacar essa política foi desmoralizar Michelle Obama.

A forma mais fácil de fazer foi dizendo que crianças morreriam de fome com esse cardápio e que na verdade ele serviria apenas para porcos. E por fim, que se tratava de uma medida eleitoreira, algo como, se bem alimentados, até os porcos votariam.

O que parece não estar claro para a comunidade brasileira que se apropriou da frase ele é uma expressão de ódio e contenda, ela nada tem a ver com o amor de Cristo e é apenas a contaminação e o espalhamento da amargura. Fuja disso! Comparar os necessitados com procos famintos não é uma boa pedida, ainda mais quando sabemos a quem estão chamando disso.

Tome cuidado a quem você serve. Espalhar esse tipo de coisa, nem de longe serve ao amor de Cristo, ao avanço da humanidade. Além de ser uma ignorância cultural nada invejável.

Não ria, mas no desenho do Garfield, havia um porco chamado Orson.

Orson Pig, o porco do Garfield
Anúncios